O poder legislativo e os vereadores

Quando se fala em cargos políticos e funções, muita gente ainda possui um conhecimento bastante incipiente sobre o assunto. Nem todos sabem quais são as atribuições exatas de cada cargo, como vereador, por exemplo, o que causa alguma confusão e dificulta por vezes fazer as devidas cobranças da forma necessária.

Como é de conhecimento de muitos, o poder politico de um país é dividido em três esferas distintas: executivo, legislativo e judiciário. Cada uma dessas esferas de poder é subdividida em uma série de “repartimentos” e possuem suas hierarquias e cargos característicos.

O poder legislativo é um desses três poderes, o qual é atribuída a função legislativa. É parte constituinte do poder estatal, porém se organiza de forma independente dos demais poderes do país.

Esse setor do poder é dividido, por sua vez, em três camadas: federal, estadual e municipal. O poder legislativo de nível federal é composto pelos senadores e deputados federais; o legislativo estadual é configurado pelos senadores e deputados estaduais e por fim, o legislativo de nível municipal é composto pelos vereadores.

Quando um determinado vereador, por exemplo, elabora e divulga seu jingle politico na campanha, no texto do jingle, ou seja, na letra da música ele vai citar, além dos seus dados, algumas possíveis menções aquilo que ele vai fazer, atitudes relacionadas as funções que ele cumprirá enquanto representante do povo a nível municipal.

De modo geral, a função do poder legislativo é elaborar leis, criar novas leis ou elaborar projetos de alterações ou emendas de leis. A função de ordenar as leis é imprescindível para um bom funcionamento da sociedade.

Os responsáveis pelo poder legislativo não tem só a incumbência de criar projetos de leis, mas fiscalizar o poder executivo e, quando for necessário, julgar esse mesmo executivo ou os colegas do poder legislativo.

No caso dos vereadores, eles elaborarão projetos de leis municipais e fiscalizarão todas as atividades do poder executivo. Os vereadores são a ponte entre o povo de uma cidade e o poder executivo.

Ao contrário do que a população em geral pode pensar, o legislativo da cidade não tem como função conceder benefícios diretos para a população. Se um vereador divulgar tal ação em um jingle de sua campanha ou mesmo depois, está equivocado. O vereador é um mediador de interesses.

Fazer Cirurgia Plástica…a qualquer preço???

Todas as pessoas e, pelas estatísticas atuais, as mulheres principalmente, querem se sentir lindas e de bem consigo mesmas quando o assunto é beleza. Todos desejam manter seus corpos em dia, além de uma face com aspecto jovial e saudável. O grande problema é quando isso se torna uma obsessão e a pessoa passa a fazer cirurgias plásticas e outros tratamentos estéticos sem se preocupar com a parte mais importante, A SAÚDE.

Mas atenção: hoje em dia é possível encontrar na internet diversos tipos de clínicas de cirurgia plástica e tratamentos estéticos. Essa grande facilidade faz com que o paciente procure o Cirurgião Plástico ou um determinado tratamento estético como se fosse um leilão às avessas, ou seja, a procura é pelo profissional que cobrar mais barato. É necessário, contudo, ter cautela quanto à documentação regular do médico (no CRM, na Sociedade de especialidade).  Todos os pacientes devem procurar Consultórios com bons médicos, avaliar se o profissional é bem formado (cheque a Universidade em que ele estudou) e se o Cirurgião Plástico está devidamente registrado na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Existem empresas especializadas em fazer propagandas de Cirurgia Plástica para “encher” algumas clínicas. Logo, os anúncios são bem bonitos ou sedutores, mas não é a “propaganda que vai te operar”. Por isso, procure pesquisar mais profundamente sobre o médico que vai te operar. Lembre-se que a indicação de uma paciente satisfeita também é muito importante para sua decisão.

Devido à existência de diversos tipos de cirurgiões e clínicas, vamos dar algumas dicas para que na hora de escolher sua clínica, ou seu cirurgião plástico, você possa escolher de forma sensata e com responsabilidade. Nosso intuito é que a cirurgia plástica ou o tratamento estético não lhe traga prejuízos, mas tão somente melhore a sua saúde. Ainda, gostaríamos de enfatizar que o baixo preço não pode ser o fator determinante com relação à escolha do profissional.

NÃO ACREDITE EM SUBSTÂNCIAS OU TRATAMENTOS MÁGICOS

Isso mesmo, se sua esteticista ou seu cirurgião prometer a você uma substância injetável, ou um aparelho que remove gorduras localizadas em poquíssimo tempo, desconfie. Entenda que não existe mágica de perder muitos kilos em poucos dias com tratamentos estéticos. Isso é somente frase de capa de revista que chama atenção para que você ache que é verdade e compre. A maior quantidade de gordura que pode ser retirada é somente cirurgicamente com lipoaspiração, e se limita a 5% do peso ideal da pessoa.  Logo, todos os outros tratamentos com injeção ou aparelhos funcionam bem pouco.

A pior tentação – motivo pelo qual a grande maioria das mulheres cai nessa história – é ter pressa para ficar com o corpo lindo e sem cirurgia. Se você for fazer algum procedimento estético injetável, peça o nome da substância e pergunte a um médico Especialista a sua opinião sobre o procedimento.

CONFIRA SEMPRE QUEM É CIRURGIÃO

Agende uma visita no consultório do Cirurgião, conheça a clínica e veja se  o próprio médico inspira confiança. O anúncio de consultas gratuitas já é algo que deve chamar a sua atenção negativamente.

Na sala de espera converse com outras pacientes dele sobre o quanto estão satisfeitas e como foi a atenção no pós-operatório.

Cuidados gerais para fazer a cirurgia

Realize todos os exames clínicos necessários e siga à risca todas as recomendações médicas. Sempre pergunte em quais hospitais o cirurgião opera. Verifique se os hospitais são bons e confiáveis.

Conheça a equipe médica que realizará o procedimento e pergunte sobre todas as etapas da cirurgia, desde a internação até a alta médica. Fique atenta a todos os detalhes.

Beleza a qualquer preço

Aqui um dos fatores mais importantes e que influenciam da decisão final. Ainda hoje muitas mulheres não pesquisam direito e vão somente atrás de baixos valores. O pior de tudo é que, ao fazer uma cirurgia plástica mal feita, mal sucedida, ela vai ter que gastar duas vezes, pois poderá ter que pagar até mais caro para corrigir a primeira. Pesquise melhor se o cirurgião cobrar muito barato. Lembre-se: o barato pode sair muito caro quando o assunto é sua saúde. Uma cirurgia mal feita pode deixar deformidades impossíveis de se corrigir e marcas para o resto da sua vida. Em certos casos não existirá dinheiro que possa corrigir as falhas de uma cirurgia realizada nessas condições.

SOBRE O AUTOR

Formação Acadêmica

 

• (2005) Graduação pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP)

 

• (2010) Especialização em Cirurgia Geral pela Universidade de São Paulo

 

• (2013) Especialização em Cirurgia Plástica pela Universidade de São Paulo

 

• (2013) Especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
Até o próximo artigo…